quarta-feira, 26 de abril de 2017

Opinião - Crônicas do extermínio anunciado (Parte 4)

Carlos Giannazi *


Mais uma vez, em silêncio, sem nenhuma consulta às escolas e às Diretorias de Ensino, o grupo de burocratas que comanda a Secretaria Estadual de Educação deu novo golpe nos educadores. Desta feita, nos professores/as readaptados/as. Acordamos todos com o gosto amargo das imposições autoritárias veiculadas no texto da Resolução SE 18/2017, publicada na plenitude da semana santa. Novamente, o centralismo autoritário e desprovido de sensibilidade democrática arma-se de seu objetivo principal, de diminuir custos na educação pública paulista a qualquer custo, e impões novos procedimentos aos professores/as readaptados/as, causando-lhes apreensão, sofrimento antecipado e perspectiva de um futuro nada fácil.

Começam por ignorar que estes servidores são docentes, pertencem ao Quadro do Magistério, e usurpam sua condição de docente, transformando-os em um exército de reserva para os buracos administrativos da estrutura da secretaria. Tiram sua condição de docentes e os colocam num outro patamar com a intenção clara de metê-los em tarefas administrativas, notadamente nas diretorias de ensino. Aos montes, sem uma noção exata de quantos destes servidores se amontoarão em cada diretoria de ensino, estas sempre subservientes e obedientes, acostumadas a engolir sem nenhum questionamento todas as resoluções que o grupo central de burocratas arquiteta na calada da noite. Ignoram que estes servidores têm laudos médicos que restringem sua atuação com o intuito de preservar sua saúde. Ao amontoar todos num mesmo balaio de gatos mostram desconhecer que cada caso é um caso, cada laudo é um laudo.

Muitos desses professores/as às duras penas, contra a teimosia burra da administração, encontraram um jeito de ser útil à estrutura da escola, acomodando suas limitações e precariedades da saúde a um tipo de trabalho menos prejudicial para si e bem interessante para a escola. Ignoram que há limites sérios na vida desses/as professores/as e que submetê-los a uma estapafúrdia reclassificação, sem critérios específicos para o caso, pode gerar uma colossal desacomodação, inclusive obrigando-os/as a se locomoverem de sua casa para outros lugares distantes " até mesmo para escola de outro município. Uma burrice ilegal e desumana.

Já haviam tentando antes, com a imposição de responsabilidade pelas salas de leitura, ignorando completamente os laudos médicos. Dessa vez, pela força de uma resolução, como tem sido a prática autoritária desse grupo, penalizam todos, atropelando direitos e reservas legais, sem um mínimo de consideração pela situação desses/as docentes e sem um mínimo de cuidado democrático para ouvir as partes interessadas. Professores e professoras readaptados/as entraram em uma carreira docente, precarizaram sua saúde no exercício da função, perderam inúmeros direitos e não merecem ser atropelados por essa visão preconceituosa de que apenas lhes restam os trabalhos administrativos.

Como das outras vezes em que fomos atropelados por resoluções autoritárias e redutoras como essa, resta o apelo à compreensão mais ampla de como tratar o recurso humano " o mais rico e essencial " da educação. Ou então buscar na justiça um olhar mais humano e sensato para as coisas da educação pública paulista.

Com a palavra a burocracia da Secretaria Estadual de Educação.

* Carlos Giannazi é deputado estadual pelo PSOL 

terça-feira, 4 de abril de 2017


Hoje morreu um professor, mas isso não foi notícia

De facto é preciso gostar muito de ser professor para se continuar a ser professor.
 Ou isso, ou somos mesmo parvos
Crónica
Texto de João André Costa • 03/04/2017 - 07:51
Todos os dias vou para a escola. À chegada, encostados a um muro, os alunos do costume, do 7.º ao 10.º ano a enrolar charros, a fumar charros, a vender charros. Digo-lhes “Bom dia”, eles mandam-me para o c... e eu continuo, porque quando me mandam para o c... é bom sinal, é sinal de que ainda estão vivos, não vá um ficar estendido ao comprido do portão da escola como no mês passado mais os tios, as tias, os pais, as mães e primos mil a acusarem-nos de deixar os filhos fumar droga à porta da escola, e eu quando eles fumam droga é do melhor, a dormir sobre as mesas da sala de aula perante o olhar indiferente dos colegas ou das contínuas, não vá alguém acordá-los, porque ao menos enquanto dormem e curam a “pedrada” não chateiam e quando alguém os acorda é do pior, pegam logo no telemóvel enquanto me chamam de filho da p... para baixo e ameaçam partir-me os dentes todos.

Sou professor. Mas não dou aulas, finjo que dou aulas e de manhã à noite separo alunos e alunas desertos por andar à porrada, levo sopapos, bofetadas, empurrões e estaladas, cospem-me na cara e dão-me pontapés, mas antes assim, porque às crianças nem uma nódoa negra que se veja ao chegar a casa quando ainda ontem a Luísa, professora de História, acabou no hospital depois de um encarregado de educação lhe perfurar um pulmão entre um par de murros na cara, os óculos partidos e não sei quantos pontapés enquanto a coitada da Luísa se torcia e esvaía no chão.

Chamar a polícia? Nem pensar, da última vez que aqui vieram era ver os alunos, ao melhor estilo dos macacos, saltar por cima do portão da escola e apedrejar os vidros do único carro do posto, agora inoperacional por falta de fundos, assim dizem eles ao telefone, ou então miúfa, muita miúfa.

Mas eu é que não posso ter miúfa, nem eu nem os meus colegas, caso contrário não temos emprego nem salário, a minha mulher vive a 200 quilómetros com uma filha recém-nascida entre os braços e as serras e alguém tem de pagar os “aptamis” agora que lhe cessaram o contrato de trabalho. É preciso ter azar.

Por isso venho para a escola todos os dias ao mesmo tempo que cadeiras voam dentro das salas, alunos correm de faca na mão uns atrás dos outros, vidros estilhaçam, computadores são partidos ou roubados, ou partidos e roubados, conforme aprouver às pobres crianças, porque contrariá-las nem pensar, para já não falar dos pneus dos carros dos professores, tantas vezes substituídos por tijolos em pleno dia, e eu às vezes gabo a capacidade destas crianças para a mecânica, pelo que até já fui falar com o senhor Director e propor a criação de um curso profissional, e não tivessem as ferramentas sido todas roubadas à chegada à escola e, estou certo, os nossos alunos teriam um futuro brilhante à sua frente. Estou mesmo certo.

De facto é preciso gostar muito de ser professor para se continuar a ser professor. Ou isso, ou somos mesmo parvos. Ou, se calhar, não há outra alternativa senão a do desemprego. Vou pela terceira hipótese. E por isso continuo, ano após ano, cada vez mais longe de casa, cada vez mais próximo da Lisboa periférica, dos bairros periféricos, das vidas periféricas, para sempre condenadas a girar ao redor de nada, sem passado, presente ou futuro que as sustente, e eu lá no meio da reportagem da RTP enquanto uma mãe me encosta contra a parede e me perfura a barriga com uma faca do pão depois da filha lhe ter dito ter sido violada por um colega na minha sala de aula, e eu enjoado a segurar a barriga e as mãos quentes cheias de sangue quente a fugir-me com a cabeça de encontro ao chão, incapaz de lhe explicar que a filha já não vem à escola desde a semana passada, até porque a mulher já tem as mãos no meu pescoço e eu sufoco mais ou menos ao mesmo tempo que um grupo de populares persegue e pontapeia a equipa da RTP, arauto da liberdade e da informação. Hoje morreu um professor, mas isso não foi notícia.

Fonte : http://p3.publico.pt/actualidade/educacao/23275/hoje-morreu-um-professor-mas-isso-nao-foi-noticia
Imagem relacionada

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO CONFIRMA DATA DO PAGAMENTO DO BÔNUS

PARA  ESCLARECER OS FALSOS BOATOS DAS REDES SOCIAIS A SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO CONFIRMOU OFICIALMENTE A DATA DE PAGAMENTO DO BÔNUS NO SITE: https://www.facebook.com/EducaSP/photos/a.300601050030229.67956.300104286746572/1330993983657592/?type=3&theater
A imagem pode conter: texto
Atenção, servidores! O pagamento do bônus está mantido e acontecerá no dia 20 de abril. A melhor forma de acompanhar as informações sobre a bonificação é ficar ligado nos canais oficiais da Educação! Evite as divulgações falsas que circulam nas redes.

Todo ano é essa novela !!! Pagamento do Bônus estimula falsas noticias nas redes sociais.



Como acontece todo ano, a novela do pagamento do Bônus Mérito para os professores da rede Estadual de São Paulo  ganha novos capítulos como aconteceu na última quinzena: as redes sociais foram infestadas por noticias falsas da suspensão imediata do pagamento do Bônus anunciada pelo próprio governador  no inicio de março . Os boatos correram as redes sociais como um rastilho de pólvora e causou grande alvoroço entre os profissionais da educação que foram "contemplados" neste ano. Vejam a postagem falsa:
A imagem pode conter: texto

Este  tipo de "brincadeira de mal gosto" causa inquietação nas escolas,  pois a chegada o mês de março  é marcada com  suspense na educação  paulista,é uma rede inteira de profissionais da educação aguardam ansiosamente pelo resultado do do Bônus mérito para as escolas que atingiram o índice proposto pelo governo estadual através do IDESP.
Como todo final de novela ,o anuncio do pagamento do Bônus causa uma agitação em função de resultados obscuros e inesperados,
deixando alguns satisfeitos , a grande maioria contrariados e o verdadeiro vilão da história que é o governo, com essa  política equivocada de educação,ainda sai com "louros de heroísmo",pois esta fazendo um "esforço titânico"(segundo foi dito a mídia), para jogar algumas migalhas  de valores aos profissionais da educação.
A mídia jornalistica que parece uma faca de dois gumes,de um lado critica a situação da educação ,mas nunca cobra realmente os verdadeiros culpados e por outro lado  alardeia o tal “bônus” como se fosse um prêmio da mega sena acumulada,isso dá a impressão para a população que professor reclama de “barriga cheia” e recebe uma fortuna neste tal bônus. 
Será que nunca um jornalista pensou em conhecer o outro lado da moeda deste bônus ??? Nessa hora imagino que a maioria dos professores gostariam de ter acesso a mídia e denunciar a grande mentira que é o bônus e essa politica de meritocracia implantada no estado .
Após o pagamento do bônus encontramos profissionais da educação desolados, porque viram todo  esforço de um ano letivo  indo pelo ralo,pois a  escola não atingiu  ou só atingiu parte da meta,isso porque a cada ano a meta salta para um valor cada vez maior,até parece as fases de um jogo de vídeo game. 
É comum as escolas se alternarem no recebimento do bônus,pois se em um ano a meta sobe e não se alcança, no outro a meta abaixa e a escola termina alcançando,nesta lógica como medir qualidade neste tipo de educação?
Sou contra o bônus porque os critérios não são claros sendo motivo de grande discórdia na categoria ,uma  a frustração para o magistério  paulista e sua   perenidade da conquista realizada a cada ano neta situação de "sobe e desce" no IDESP, não melhorou em nada a qualidade de ensino da escola pública. 
Estou concluindo  e não poderia deixar de citar  um trecho do texto "  A Falácia da Meritocrácia" de  Nairan Ballesta ,publicado no    Pragmatismo Politico : "Isso provoca nas pessoas e na sociedade uma estranha inversão de valores, onde quem persegue o mérito não persegue a ação meritória, mas sim as benesses que advém de alguém ser considerado meritório, e aqui nasce o primeiro dos problemas da meritocracia."http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/10/a-falacia-da-meritocracia.html

Finalizando agora...o site oficial da SEE declara que o bônus virá.

A imagem pode conter: texto

Atenção, servidores! O pagamento do bônus está mantido e acontecerá no dia 20 de abril. A melhor forma de acompanhar as informações sobre a bonificação é ficar ligado nos canais oficiais da Educação! Evite as divulgações falsas que circulam nas redes.
Fonte  https://www.facebook.com/EducaSP/photos/a.300601050030229.67956.300104286746572/1330993983657592/?type=3&theater

sexta-feira, 17 de março de 2017

REFORÇO VAI CONTRATAR PROFESSORES



Resultado de imagem para precisa-se
A partir de 27 de março de 2017, os interessados poderão fazer o cadastro no Portal do Ministério da Educação e escolher até 10 turmas.
O reforço será para alunos com dificuldades dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano), com aulas no contra turno em turmas com jornada de 5 ou 15 horas semanais, a critério das equipes gestoras das escolas.
É estimada a participação de 200 mil estudantes.


fonte http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/alunos-da-rede-estadual-terao-reforco-continuo-de-portugues-e-matematica/

quinta-feira, 16 de março de 2017

Alunos da rede estadual terão reforço contínuo de Português e Matemática

Programa desenvolvido em parceria com o governo federal dará suporte aos estudantes que tiveram baixo desempenho nas provas do Ideb
Ter, 14/03/2017 - 13h23 | Do Portal do Governo
Alunos do Ensino Fundamental e Médio da rede estadual paulista terão ações de reforço escolar contínuo nas disciplinas de Português e Matemática. O anúncio foi feito pelo governador Geraldo Alckmin nesta terça-feira (14) na Escola Estadual Luiz Cintra do Prado, no Jardim das Esmeraldas, Zona Sul de São Paulo.
Com investimento de R$ 20 milhões, o projeto acontecerá em parceria com o Governo Federal por meio do programa Novo Mais Educação, que vai oferecer recuperação contínua para os estudantes das 2.105 escolas estaduais com baixo desempenho no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).
A partir de 27 de março, os interessados poderão fazer o cadastro no Portal do Ministério da Educação e escolher até 10 turmas. O reforço será para alunos com dificuldades dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano), com aulas no contraturno em turmas com jornada de 5 ou 15 horas semanais, a critério das equipes gestoras das escolas. É estimada a participação de 200 mil estudantes.
“O objetivo é não deixar ninguém para trás. Melhorar a qualidade do aprendizado, a qualidade do ensino, com foco bastante intenso em Português e Matemática”, disse Alckmin, explicando como será a dinâmica das aulas de reforço: “No Ensino Fundamental, quem estuda de manhã, tem no contraturno o período da tarde e faz atividades pedagógico-educativas, com foco nessas duas disciplinas. E quem estuda à tarde, faz no contraturno da manhã. Para os alunos do Ensino Médio, o reforço será no seu próprio turno de estudos”.
Recursos digitais
A Secretaria também preparou um reforço de conteúdo para o Ensino Médio. As aulas serão ofertadas no horário regular a 900 mil jovens de 2.516 unidades que também tiveram dificuldade no desempenho. Para auxiliar o trabalho, as escolas são orientadas a formar grupos de estudo de acordo com o nível de aprendizagem.
Além disso, as equipes devem utilizar as plataformas digitais Foco Aprendizagem e Currículo +, criadas pela Secretaria da Educação, que reúnem os resultados obtidos na avaliação de aprendizagem e do boletim do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de SP), além de uma série de vídeos, videoaulas, jogos, animações, simuladores e infográficos que dialogam com o currículo oficial.
Jornada de Matemática
Outra iniciativa para reforçar o ensino é o lançamento da Jornada de Matemática, mais importante competição do Estado focada na disciplina. Aberta a estudantes do Fundamental I e II e Médio, terá etapas locais, regionais e estaduais. A ideia é que a rede utilize as mesmas estratégias traçadas na preparação das OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas). Em 2016, foram 692 medalhas, entre ouro, prata e bronze conquistadas pela rede estadual paulista.
As aulas contarão com supervisão de monitores, em seleção aberta a professores, educadores aposentados e estudantes universitários. Os interessados em participar do programa como educadores devem se inscrever por meio do portal do Ministério da Educação.
fonte http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/alunos-da-rede-estadual-terao-reforco-continuo-de-portugues-e-matematica/

COMO CALCULAR SEU BÔNUS

   PROFESSOR ENTENDA COMO E CALCULADO O BÔNUS 2016 QUE SERÁ PAGO EM ABRIL


Resultado de imagem para calculos financeiros

Conforme foi informado no site da Secretaria de educação do estado de São Paulo o valor do bônus será proporcional a 0,07 ou seja 7 %  do salario que o professor recebe todo mês se a escola atingiu a sua meta total.  O calculo de 7 % deve ser multiplicado pelos  12 meses do ano.
É importante que o professor  tenha trabalhado, no mínimo, em dois terços do ano letivo considerando os 200 dias letivos,ou seja cerca  de 133 dias trabalhados.
No caso da escola que superou a meta até 120 % poderá atingir o valor do salário total.
Não esquecer que será considerado o desconto proporcional as faltas normais e de saúde. 
As faltas que não podem ser consideradas como faltas no caso do pagamento do Bônus são:licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias.
Estas regras servem para todos profissionais da educação da rede Estadual de São Paulo.


quarta-feira, 15 de março de 2017

BÔNUS PARA PROFESSORES:VALE A PENA LER DE NOVO...


Publiquei este artigo em 2012 e por incrível que pareça quase nada  mudou na educação paulista. A  filosofia da campanha do polêmico ilustre  deputado Federal Tiririca de que"pior que tá não fica", não se aplica na situação dos profissionais da educação no Estado de São Paulo.

O ano de 2017 iniciou com a implementação da politica de reorganização" por baixo dos panos" em seguidos decretos e normas publicadas nos últimos meses que piora ainda mais o caos da educação paulista nas últimas décadas.

Infelizmente, quando se trata de politica educacional no estado de São Paulo a situação  pode ficar pior ! 
OS PERSONAGENS MUDARAM...SAIU SECRETARIO...ENTROU SECRETARIO...MUDOU EQUIPE DE APOIO E DIRETOR DE DRAMATURGIA ... MAS A NOVELA  DA EDUCAÇÃO CONTINUA  A MESMA...ENFADONHA...SEM GRAÇA...MEXICANA !


Bizarrices do bônus para professores

Políticas públicas de educação
Dito e feito.
Chegou o bônus e a mídia faz propaganda do tipo carnê do baú.
Uma senhora ganhou uma casa,
professores ganham até 12 mil de bônus.
Os critérios continuam transparentes como a água do Tietê.
Segundo a APEOESP, já há vários recursos em andamento.
O "bom professor" da "escola ruim" se deu mal. Tudo Isto já sabemos.
Mas a coisa ficou ainda mais bizarra.
Segundo o Estadão (?25/03/2009?) 72% dos servidores receberão bônus.
 Isto é muito estranho. 
Afinal, a própria secretaria vem batendo na tecla de que grande parte dos professores de São Paulo não está preparada para o oficio.
 Lembra do "professor nota zero"? 
Será que ele ganhou bônus?
A própria idéia do bônus vem como uma resposta à "baixa qualidade" dos docentes paulistas. 
E agora vem essa.
É bônus pra todo mundo! 
Mas tinha tanto dinheiro?
Que critérios levaram a secretaria a esta decisão? 
Não faço idéia, mas não posso deixar de notar uma situação semelhante. 
Sabe aquela prova ruim que você, professor, aplicou no início de sua carreira docente? 
Aquela prova mal formulada, fruto de certa inexperiência, que no final te obrigou a passar todo mundo para não ouvir reclamações? 
Pois é, vejo alguma semelhança entre as duas situações. 
Cada um faça seu julgamento.
Como se não bastasse, ainda há a pérola, que deixei por último.
Bizarrices do bônus. 
Segundo a Agência Estado (Estadão 27/3/2009), a equipe da Secretaria de Educação também vai receber bônus!
 Por quê? 
Ora, porque, segundo seus próprios critérios, seu trabalho foi bem feito.
A secretária Maria Helena, por exemplo, "teria direito" a 17 mil reais - dos quais "abriu mão". 
Direitos?
Abriu mão?
Que medo! 
Pensei que esta bizarrice da democracia fosse monopólio do legislativo.
"Os cerca de 5.700 funcionários do órgão receberão o bônus, mesmo não estando ligados diretamente a nenhuma escola" diz a reportagem. 
Nessas horas eu queria ter acesso ao orçamento (detalhado) da secretaria de educação (e do governo, evidentemente). 
O que estão fazendo com o nosso dinheiro? Ainda segundo o texto:
"Como são funcionários que trabalham para toda a rede, receberão de acordo com o avanço de toda a rede", afirma nota da secretaria. 
Para Marcelo Ferrari, diretor de desenvolvimento de negócios da Mercer, consultoria especializada em planejamento de benefícios, a lógica faz sentido no setor privado."
Tudo isto nos leva a perguntas mais gerais.
Que tipo de meritocracia queremos? 
Como aplicá-la nos órgãos estaduais? 
Como mesclar a lógica privada e a pública de maneira inteligente e eficaz - em termos econômicos mas, principalmente, humanos?
Será que o bônus deveria ser algo assim tão importante para os professores? 
Não há outras formas mais interessantes de recompensa?
O que falta para os professores é estímulo? 
Não será esta uma "psicologização" excessiva da questão?
Como melhorar as condições de ensino de todos os professores?
São perguntas que, para mim, deveriam estar em primeiro plano nas conversas sobre educação, no lugar de frases como "professor nota zero vai dar aulas" ou "bônus chega a 12 mil reais".

Crédito devidamente colocado.
AUTOR Rodrigo Travitzki 

PROFESSORES :O BÔNUS SERA PAGO EM ABRIL

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta quarta feira 15 de março, dia da grande mobilização contra as reformas da previdência e das manifestações dos sindicatos dos  profissionais da educação, que decidiu pagar o bônus para os professores da rede estadual. 
A decisão foi amplamente divulgada pelas redes sociais através de páginas oficiais e da mídia jornalística. 
Destacou o “incrível” esforço do governo para tal pagamento e a  intenção de reajustar o salario da categoria.
Ele cita a crise econômica para explicar o incrível  valor de 0,07% de Bônus. Pasmem !
Será que  a categoria que amarga três anos sem reajuste vai engolir essa proposta ????
O pagamento do bônus que na realidade é um grande “ônus” para a educação, pois divide a categoria e desvaloriza o salário do profissional da educação  segundo o anuncio vai cair na conta em Abril.

Professores e servidores da Educação irão receber R$ 290 milhões em bônus

Cerca de 200 mil funcionários de escolas que avançaram, atingiram ou superaram metas estabelecidas pelo Idesp receberão a gratificação
Qua, 15/03/2017 - 12h23 | Do Portal do Governo
Os servidores da Secretaria da Educação do Estado vão receber durante o próximo mês de abril o pagamento do bônus por mérito. Estão na lista cerca de 200 mil profissionais, incluindo professores, diretores, agentes de organização e equipes técnicas das escolas e órgãos centrais que, este ano, vão receber quase R$ 290 milhões.
Como em 2016, o valor máximo do benefício que cada profissional receberá é proporcional a 0,7 salário extra. “Estamos fazendo um grande esforço num período de dificuldade econômica, de grande crise. O governo de São Paulo chegou a 32% no ano passado da sua receita corrente líquida investida em educação”, afirmou o governador Geraldo Alckmin.
O bônus é calculado a partir das notas do Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo). Também é considerado se a unidade avançou, atingiu ou superou a meta estipulada para o período. Os servidores precisam ainda ter trabalhado, no mínimo, em dois terços do ano letivo. No caso de faltas, haverá desconto proporcional. São permitidas por lei apenas ausências decorrentes de licença-maternidade, licença-paternidade, adoção e férias.
Além dos professores, que receberão o bônus de acordo com o resultado do nível de ensino que atuam, serão contemplados diretores, supervisores, professores-coordenadores, agentes de organização escolar, agentes de serviços escolares, assistentes de administração, secretários de escola e demais profissionais da Educação. A equipe escolar recebe conforme a média da unidade, enquanto dirigentes de ensino e supervisores recebem pela média das escolas das respectivas regiões.
Ensino Médio avança no Idesp
Pelo quarto ano consecutivo, o Ensino Médio da rede estadual avançou no Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo). O ciclo alcançou na medição 2,30, contra os 2,25 registrados em 2015.

A pontuação é a mais alta desde 2008, quando a Secretaria adotou o indicador de qualidade da educação paulista. O desempenho dos Anos Iniciais do Fundamental (1º ao 5º ano) também superou a marca anterior. O ciclo atingiu 5,40 (uma diferença de 0,15 ponto em relação aos 5,25 de 2015). A pontuação conquistada é a melhor dos últimos nove anos. Os Anos Finais (6º ao 9º ano), por sua vez, tiveram queda: as notas foram de 3,06 para 2,93.
Fonte:http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ultimas-noticias/professores-e-servidores-da-educacao-vao-receber-r-290-milhoes-em-bonus/

Trabalhadores da educação paulista protestam no dia do circo:“Não somos palhaços!"

Trabalhadores da educação  paulista protestam no dia do circo: 
“Não somos palhaços!"
A imagem pode conter: 2 pessoas
Em diferentes cidades e estados, manifestantes saem às ruas  para protestar contra as reformas das leis trabalhistas e da previdência.
Em São Paulo, profissionais da educação listaram vários motivos para engrossar a “mobilização nacional”  dentre eles: a reorganização das escolas da rede estadual por “debaixo dos panos”  com fechamento de classes e períodos, salas superlotadas, o descaso com a categoria “O”, o  desmonte das salas de leitura, redução de PMEC ,coordenadores pedagógicos, vice- -diretores e alterou drasticamente o  módulo dos integrantes do Quadro de Apoio Escolar e do Quadro da Secretaria da Educação, etc.
A grande piada do dia foi o “pagamento do Bônus” anunciado hoje pelo governador pessoalmente e que foi alardeado como grande esforço desta administração nas redes sociais e  municiado pelos noticiários obviamente para denegrir um movimento legítimo dos trabalhadores da educação do estado. Hoje  é  o dia do circo e o recado dos profissionais da educação que estão nas ruas  é :”Não somos palhaços!”
O movimento dos profissionais da educação no ano letivo de 2017 começou com  milhares de pessoas na mobilização  do dia internacional da mulher no centro de São Paulo  , para deixar claro que  não vamos aceitar migalhas !
Segundo o boletim da APEOESP de 13/03/2017 “Uma vez mais o governo do Estado de São Paulo deixou nossa categoria sem nenhuma proposta salarial, em que pesem os quase três anos de reajuste zero. Desta vez, o secretário da Educação, em reunião realizada com a APEOESP em 13/03, relatou o posicionamento do próprio governador, que diz não ter condições de apresentar qualquer proposta e que o fará somente se, e quando, a arrecadação melhorar...” Além de não reajustar nossos baixos salários, e ainda pretender reativar a política de abonos e gratificações... “
A proposta de reajuste “zero” nos da  a sensação que “estão nos fazendo de palhaços”, estamos  completando três anos sem nenhum reajuste salarial.
Basta ! “ Não somos palhaços!”

A mobilização nacional contra as reformas trabalhistas e da previdência é uma  resposta nítida aos ataques que os profissionais da educação estão sofrendo em todos estados. “De acordo com a CNTE a reforma da Previdência pretende acabar com a aposentadoria especial do magistério tanto para os novos concursados como para quem tem menos de 45 anos, no caso de professoras, e menos de 50 anos, no caso de professores. Isso significa que quase 70% da categoria dos profissionais do magistério, em efetivo trabalho na docência, deixarão de ter direito à aposentadoria especial, sendo 66,48% professoras e 82,09% professores que se encontram abaixo da linha de corte. (Observatório de Olinda, 15/03/2017)  Fonte :http://www.cnte.org.br/index.php/cnte-na-midia/17909-greve-geral-professores-participam-de-ato-nacional-contra-reforma-da-previdencia.html
Professores a  “aposentadoria especial” é garantida em dispositivo constitucional desde 1981,foi  referendada pela Constituição de 1988. Outros profissionais da educação na  regra atual, homens se aposentam com 35 anos de contribuição e mulheres, 30. Vamos trabalhar até morrer  ou vamos lutar por nossos direitos ?????


É necessário unir forças e participar de todas mobilizações em defesa dos  profissionais da educação, pois estamos todos no mesmo barco !  

Todos são afetados !